Julho 15, 2024
Suplementos para gestantes

A gestação é um período que exige cuidados especiais com a nutrição, pois o bem-estar da mãe e a evolução saudável do bebê dependem de uma alimentação equilibrada e, em alguns casos, a suplementação de nutrientes específicos.

Neste artigo, abordaremos os principais suplementos para gestantes, para uma gravidez saudável e segura. Vamos começar?

Compartilhe nas redes

Índice de conteúdos.

Principais suplementos para Gestantes.

Como já discorremos, a suplementação pode ser uma aliada importante para garantir a saúde da mãe e o correto desenvolvimento do bebê.

Abaixo falaremos dos 5 suplementos mais recomendados por especialistas durante a gestação.

1. Ácido fólico: primordial nos primeiros meses da gestação.

A suplementação de ácido fólico é  parte essencial dos cuidados pré-natais. Isso porque ele desempenha um papel vital na prevenção de defeitos do tubo neural, o qual é o responsável pelo desenvolvimento do sistema nervoso e do cérebro do bebê.

Quando a gravidez é programada, é recomendado que a suplementação inicie-se cerca de 3 a 6 meses antes da concepção e pode ser mantida durante toda a gestação.

1.1. Ácido fólico: para que serve, afinal?

O ácido fólico contribui para diminuição do risco de formações congênitas no bebê, como:

Além disso, também é essencial para a:

1.2. Qual a dose recomendada de ácido fólico?

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda uma dose de 400 a 800 mcg ao dia, antes de engravidar e nos primeiros três meses de gestação.

Entretanto, a dose indicada pela médico pode ser maior, como em casos de risco elevado de deficiência de ácido fólico.

1.3. Alimentos ricos em ácido fólico.

Ácido fólico é essencial no período gestacional

Além dos suplementos, o ácido fólico é encontrado em boas quantidades em alguns alimentos, tais como:

2. Ferro: demanda do mineral aumenta na gestação.

A suplementação de ferro é muito importante durante a gestação, devido ao aumento das necessidades de ferro da mãe, e também ao desenvolvimento do feto.

2.1. Mas por que a demanda de ferro aumenta na gestação?

Durante a gravidez, o volume de sangue aumenta para suportar o crescimento do feto, o que eleva a demanda por ferro.

O ferro é essencial para a produção de hemoglobina, proteína presente nos glóbulos vermelhos que tem a função de transportar o oxigênio aos tecidos.

A deficiência de ferro pode levar à anemia ferropriva, que está associada a riscos aumentados de parto prematuro, baixo peso ao nascer e mortalidade infantil.

2.2. Ferro: as principais recomendações.

A suplementação de ferro geralmente é recomendada a partir da ciência da gravidez, estendendo-se até o terceiro mês após o parto.

A dose oral de ferro elementar indicada a gestantes com hemoglobina normal é de 30mg/dia, durante pelo menos três meses e até seis semanas pós-parto.

Em caso de diagnóstico de anemia, a dose pode ser aumentada para 100-200mg/dia até que a concentração de hemoglobina atinja o nível normal.

É importante também avaliar a presença de parasitose e, se necessário, tratar, pois isso pode afetar a absorção de ferro.

2.3. Quais os alimentos ricos em ferro?

A demanda por ferro aumenta na gestação

Além de suplementos, o ferro também pode ser obtido em boas quantidades em certos alimentos, tais como:

3. Vitamina D: imunidade, desenvolvimento ósseo e mais.

A suplementação de vitamina D é de suma importância na gestação, tanto para o desenvolvimento fetal, quanto na prevenção de complicações à gestante e ao bebê.

Abaixo estão 3 exemplos de benefícios desta vitamina:

1. Saúde óssea.

A vitamina D é crucial para a absorção de cálcio, essencial ao desenvolvimento do esqueleto do bebê e à manutenção da saúde óssea da mãe.

2. Sistema imunológico.

Ela atua no metabolismo de produção de células de defesa, ajudando a manter o sistema imunológico em alta, tanto da mãe quanto do feto.

3. Saúde da placenta e prevenções de complicações.

A vitamina D promove o crescimento saudável da placenta e pode reduzir o risco de pré-eclâmpsia, uma condição que pode provocar complicações sérias à mãe e ao bebê, caso não tratada.

3.1. Deficiência de vitamina D na gestação: quais os riscos?

A pré-eclâmpsia decorrente da falta de vitamina D é um problema real em gestantes

A falta de vitamina D na gravidez pode levar a problemas como:

Ainda, estudos sugerem que há uma ligação entre a deficiência de vitamina D durante a gestação e um aumento no risco de transtornos do espectro autista (TEA) em crianças. 

3.2. Vitamina D: qual a dose recomendada?

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que a suplementação de vitamina D seja considerada a gestantes com baixa ingestão de alimentos fontes dessa vitamina ou baixa exposição ao sol, com base em exames laboratoriais. 

A dose diária recomendada a gestantes é de 600 UI (15 mcg/dia), mas deve ser ajustada individualmente pelo médico.

É fundamental que a suplementação seja feita com a orientação médica, considerando necessidades individuais e os níveis sanguíneos de vitamina D da gestante.

4. Ômega 3 (DHA): o ácido graxo essencial no desenvolvimento do bebê.

O ômega 3 é um ácido graxo essencial durante a gestação (especialmente o DHA), pois oferece diversos benefícios tanto à mãe quanto ao bebê. Abaixo estão os principais:

1. Desenvolvimento cerebral e visual do bebê.

O ômega 3, especialmente o DHA, é essencial para a formação do cérebro e sistema nervoso da criança, bem como para a saúde visual, pois se acumula na retina.

2. Redução do risco de parto prematuro.

O ômega 3 contribui para regulação das prostaglandinas, substâncias ligadas ao parto prematuro.

3. Saúde cardiovascular.

Um potente inflamatório, o ômega 3 contribui para a saúde cardiovascular tanto da mãe quanto do feto.

4. Redução do risco de depressão pós parto.

Níveis adequados de ômega 3 podem reduzir a tendência à depressão pós-parto, quadro que acomete muitas mulheres após o nascimento do filho.

4.1. Alimentos ricos em ômega 3.

Salmão, grãos integrais e Óleo de Peixe são rios em Ômega 3, nutriente que posssui Benefícios Comprovados à nossa saúde.

Existem fontes alimentares de ômega 3 tanto animais como vegetais.

Entretanto, tratando-se de necessidades nutricionais de gestantes, as fontes animais, ricas em DHA, são de longe as melhores opções.

Abaixo estão bons exemplos de fontes de DHA:

4.2. Ômega 3: alimentação ou suplementação?

A recomendação é consumir alimentos ricos em ômega 3 diariamente. Porém, na prática, obter uma quantia suficiente de ômega 3 somente pela alimentação não é uma tarefa fácil.

Sendo assim, é comum a prescrição de suplementos de ômega 3. No caso das gestantes, os que possuem maior concentração de DHA.

Lembre-se de consultar um médico ou nutricionista antes de iniciar qualquer suplementação.

5. Zinco: imunidade, desenvolvimento do feto e recuperação pós-parto.

O zinco é um mineral essencial na gestação, desempenhando funções que são fundamentais para a saúde da mãe e o desenvolvimento do bebê.

Abaixo estão alguns dos principais benefícios do zinco nessa importante fase da mulher:

1. Desenvolvimento fetal.

o zinco é de suma importância para o crescimento e evolução de órgãos e sistemas cruciais do bebê, como o sistema nervoso e circulatório.

2. Sistema imunológico.

O zinco fortalece o sistema imune da mãe, protegendo a ela e ao bebê de infecções.

3. Metabolismo de reparação tecidual.

O mineral é de suma importância no metabolismo de reparação de tecidos, o que pode ser benéfico à cicatrização pós-parto.

4. Prevenção de complicações.

A falta de zinco pode estar ligada a problemas como trabalho de parto prolongado, hemorragia pós-parto, pré-eclâmpsia e parto prematuro.

5. 1. Suplementação de zinco: quando é recomendada na gravidez?

No entanto, a suplementação de zinco durante a gravidez só é recomendada em casos de deficiência comprovada e deve ser feita sob orientação médica. 

Uma dieta equilibrada é suficiente para fornecer a quantidade necessária de zinco sem que a suplementação seja necessária.

5. 2. Alimentos ricos em zinco.

Peixes, carne vermelha, laticínios, grãos integrais são ricos em Zinco. os benefícios do Zinco podem ser percebidos com a alimentação.

O zinco pode ser encontrado em boas quantias tanto em alimentos animais, como vegetais. Segue abaixo ótimos exemplos:

Outros suplementos.

Além dos que mencionamos, outros suplementos podem ser recomendados pelo médico ou nutricionista, baseando-se nas necessidades individuais de cada gestante.

Considerações finais.

A suplementação na gravidez deve ser feita sob orientação médica, tendo em vista as necessidades nutricionais da mãe e do bebê.

Uma abordagem equilibrada entre dieta e suplementos pode contribuir para uma gravidez saudável e um futuro saudável para o bebê.

Lembre-se, é importante consultar um profissional de saúde antes de iniciar qualquer suplementação na gravidez. Espero que este artigo seja útil!

Compartilhe nas redes

Picture of Raphael Tavares
Raphael Tavares

36 anos, formado em Mecatrônica Industrial e há 11 anos trabalhando no Administrativo do IAMSPE (Assistência Médica do Servidor Público do Estado de São Paulo). Seu hoobie é ler conteúdos relacionados à saúde e bem estar. Agora, criando seus próprios artigos.

1 thought on “De A a Zinco: quais os principais suplementos indicados para Gestantes?

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *